ALESSANDRA TUCCI: Harmonização de seu Perfume Preferido 😍
12 de junho de 2019
O que o relançamento de Black Opium significa?
15 de agosto de 2019

RESENHA: novidades Perfumaria Phebo

Em 13 de fevereiro promovemos a MasterClass Phebo aqui na Paralela Escola Olfativa, um encontro de sucesso que aconteceu no mesmo momento em que a marca apresentava ao mercado seu novo posicionamento em perfumaria, a Biblioteca Olfativa. E entender o momento da marca só nos deixou com mais vontade de nos aproximar ainda mais desse portfólio e de compartilhar com a comunidade nossas impressões!

Fundada em 1930, a Perfumaria Phebo tem bossa e alegria. Com uma estética inovadora, tanto visual como olfativa, ela privilegia fragrâncias com ingredientes em evidência, como o sândalo bem presente no Santalum, o leite de coco do Bahia que se exibe todo cremoso, a fava do Baunilha vem delicada e brilhante… assim, cada perfume é uma homenagem com conceito e história pra contar.

É poderoso ver como a Phebo está conseguindo flertar com a veia conceitual dos perfumes de nicho aterrissados ao gosto do brasileiro. Com uma dose extra de ousadia, ela se revela uma marca inconformada em seguir as tendências olfativas universais da perfumaria mundial e vem criando novas histórias e sensações através dos seus perfumes para um consumidor em busca de novas opções olfativas.

 

“O que mais me chamou atenção nas fragrâncias da Phebo foi poder sentir outros estilos de perfumes, mais distantes das tendências internacionais, especialmente dos gourmands superdosados e dos frutais. Bonito ver uma marca com história apostando em originalidade olfativa, novos caminhos e possibilidades, sem perder a conexão com o consumidor.”

 

Para atender diferentes públicos, a Phebo apostou em um portfólio eclético, que cobre famílias olfativas diferentes para serem usadas por todos os gêneros, sem distinção:

  • Cítricos (Zimbro e Timur)
  • Frutais (Carnaval)
  • Florais (Bahia, Lichia e Pimenta, Cajueiro e Aura)
  • Orientais (Baunilha, Fava Tonka, Bronze e Maia)
  • Amadeirados (Patchouli e Santalum)

Na manhã do dia 19/07, conduzimos uma nova rodada de avaliação dos perfumes, cada um na sua fita olfativa, depois na pele e fomos acompanhando ao longo do dia. A primeira impressão confirma a promessa unissex das fragrâncias. Claro que algumas tendem mais para o feminino (Cajueiro) e outros para o masculino (Zimbro), mas ainda assim são compartilháveis.

Chega mais perto e vem conhecer um pouco mais sobre cada um:

 

Carnaval – frutado bem maçã verde e jovial, dá a sensação de vitalidade depois de um bom banho tomado. Cintilante como todo o país no verão, a fragrância ilustra bem a época mais festiva do Brasil.

Lichia e Pimenta – fragrância redonda, translúcida como a lichia, é uma boa opção para quem não gosta de perfumes doces demais; é leve, por isso, aqui vai uma dica: vale espirrar na dobrinha do braço! O perfume fica lá por mais tempo porque tem menos contato com o ambiente, e aparece nos melhores momentos (sabe aquele abraço bem apertado, que envolve todo pescoço?)

Patchouli – amadeirado contrastante entre o elegante e com toque moderno. Cuidado: Aqui, fãs de perfumes um pouco mais masculinos podem se apaixonar por essa versão mais sensual,  envolvida em almíscares e  cítricos borbulhantes.

Bahia – já diriam os Novos Baianos lá no começo dos anos 70: “sorrir e cantar como Bahia!” Esse floral solar é contrastante, fresco e envolvente, resultado da harmonização da lavanda, com lírio, leite de coco e confortável âmbar.

Aura – um eau de cologne estiloso e moderno. Cítrico-floral, bem limão siciliano e mandarina, com flor de néroli.  Tem graça, elegância e boa duração para um cítrico por conta das madeiras ambaradas e do almíscar do fundo. Se você quiser que ele fique mais presente ao longo do dia, use e reaplique sem contraindicação.

Baunilha – Contrastante e mais feminino, Baunilha seduz sem pesar. Começa cítrico vibrante e floral, e logo evolui para um corpo floral polvoroso de íris, violeta e freesia. A baunilha e o benjoim dão a estrutura balsâmica que aquece.  Um Oriental Gourmand para usar o dia todo.

Bronze – mais introspectivo, manso, cremoso e translúcido.

 

“Bronze tem bossa. Combina com calor, com frio. A combinação da flor de Heliotropina, sândalo, âmbar e musk dá um resultado de pele, morno, gosto bastante e tem boa duração.” – Alessandra Tucci.

 

Quer mais Brasil que Bossa Nova? A série “Coisa Mais Linda”, da Netflix, retrata o fim dos anos 60 e o cenário musical da época. Dizem que o personagem Chico foi inspirado em João Gilberto (1931-2019), criador da Bossa.

 

Timur – é cítrico, aromático, especiado e amadeirado. O efeito é de um perfume exótico, facetado, mais masculino do que feminino, e que passa naturalidade com certa rusticidade.  O toque verde é agreste, o frescor aromático da lavanda combinada com o vetiver projeta a memória de uma caminhada na natureza.

Santalum – pelas andanças em São Paulo e pelos comentários ao nosso redor dá para perceber a receptividade à essa fragrância. Marcante, amadeirada. Um sândalo, encorpado, até mesmo um pouco bruto. Como abrir um baú. Uma viagem ao ateliê do escultor em madeira, mesmo estando aqui em São Paulo.

Arábica – entre os cafés, um café coado, passado no filtro de pano. Floral fresco, cítrico e verde. Energizante, começar o dia com ele parece uma boa ideia. Quem gosta, vicia e não abre mão.

Maia – surpreende com a nota de cacau. Um chocolate adulto e bem resolvido. É amargo, equilibrado, com um acorde lactônico e cumarina. Chic!

Fava Tonka – Marcante e elegante. Uma celebração à Fava Tonka (cumaru, de origem amazônica). A primeira impressão é muito fresca, ele tem uma superdose de Lima e Bergamota na saída, com um toque verde. Corpo picante, fundo amadeirado, uma alternativa mais masculina, no ponto certo para as mulheres se aventurarem.

Zimbro – o gin é uma da bebida que permite muitas interpretações aromáticas, e o zimbro é a sua matéria-prima principal.

 

“Um perfume pra usar muito, o dia todo. Pra todo mundo reaplicar sem cerimônia. Não é um estilo olfativo comum no Brasil, é sofisticado na sua simplicidade. Um frescor bem cítrico, picante, pimenta e madeira.” – Alessandra Tucci.

 

Dá tempo pra mais uma dica? Os perfumes de melhor fixação foram o trio bronze-santalum-fava tonka. Mesmo depois de um final de semana inteiro na fita olfativa, eles continuavam lá, positivos e operantes!

Mas não se deixe levar apenas pela duração! Existem outras formas de apreciar e escolher um perfume. Alguns simplesmente são feitos para não durar muito, por sua personalidade livre e leve. Nesse caso, reaplique quantas vezes quiser e hidrate bem a pele, isso ajuda a segurar a fragrância por mais tempo.

Momento avaliação dos produtos recebidos – Paralela Escola Olfativa

 

Que tal exercitar o seu repertório em uma visita a mais nova Loja Conceito da Perfumaria Phebo que foi inaugurada esse ano no Shopping Higienópolis (Av. Higienópolis, 618 – Higienópolis, São Paulo – SP)?

Queremos saber as suas impressões! Deixe seu comentário aqui e compartilhe nas redes, combinado?

Até a próxima!

Cheirosamente,

Equipe Paralela Escola Olfativa.

Paralela Escola Olfativa
Paralela Escola Olfativa
Uma escola livre que nos inspira não só a pensar ou fazer diferente, mas a sentir. Somos a única no Brasil a oferecer certificado pela Cinquième Sens (escola francesa com 41 anos de atuação na França e presente em mais de 10 países) e a pioneira no Brasil, em que sentir para entender a perfumaria é a principal metodologia. Não ensinamos fórmulas prontas: ensinamos a pensar, a ousar. Nesses 6 anos de atuação, recebemos mais de 800 alunos na nossa sede, em São Paulo, e os incentivamos a olhar para a perfumaria em todos os ângulos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *